A interpretação de Copenhague e os estados relativos de Hugh Everett III : o problema do realismo científico

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorRodrigues, Samuel José Simon-
Autor(es): dc.creatorCamara, Tiago Cunico-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:33:34Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:33:34Z-
Data de envio: dc.date.issued2016-05-31-
Data de envio: dc.date.issued2016-05-31-
Data de envio: dc.date.issued2016-05-31-
Data de envio: dc.date.issued2015-07-08-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/20628-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.26512/2015.07.D.20628-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/634537-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília,Instituto de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2015.-
Descrição: dc.descriptionO presente trabalho tem como objetivo explorar o tipo de realismo prevalecente na interpretação mais usualmente adotada para a Mecânica Quântica, qual seja, a Interpretação de Copenhague, e demonstrar que sua adoção não decorre do formalismo matemático tradicional da teoria, mas sim de uma deliberada escolha de posição filosófica, havendo ao menos uma família de interpretações alternativas baseadas em uma pura mecânica ondulatória. Estuda-se pormenorizadamente a Interpretação dos Estados Relativos de Everett e, menos detidamente, a Interpretação dos Muitos-Mundos de DeWitt–Graham.-
Descrição: dc.descriptionThe objective of the present work is exploring the kind of realism prevailing in the most usual interpretation adopted for Quantum Mechanics, that is, the Copenhagen Interpretation, and demonstrating that its adoption doesn’t follow from the traditional mathematical formalism of the theory, but from a deliberate choice of philosophical stance, since there is at least one family of alternative interpretations based on a pure wave mechanics. Everett’s Relative States Interpretation is studied in detail and, less so, DeWitt–Graham’s Many-Worlds Interpretation.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Direitos: dc.rightsA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.-
Palavras-chave: dc.subjectInterpretação-
Palavras-chave: dc.subjectComplementaridade (Filosofia)-
Palavras-chave: dc.subjectRealismo-
Palavras-chave: dc.subjectMecânica quântica-
Título: dc.titleA interpretação de Copenhague e os estados relativos de Hugh Everett III : o problema do realismo científico-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.