Distocia em vacas e ovelhas atendidas no hospital veterinário da UnB entre os anos de 2002 e 2009

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorBorges, José Renato Junqueira-
Autor(es): dc.contributorGodoy, Roberta Ferro de-
Autor(es): dc.creatorXimenes, Fábio Henrique Bezerra-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:29:25Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:29:25Z-
Data de envio: dc.date.issued2011-06-06-
Data de envio: dc.date.issued2011-06-06-
Data de envio: dc.date.issued2011-06-06-
Data de envio: dc.date.issued2009-12-18-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/8243-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/632931-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2009.-
Descrição: dc.descriptionCom o objetivo de realizar um estudo dos casos de Distocia em vacas e ovelhas atendidas no Hospital Veterinário de Grandes Animais da Granja do Torto, UnB/SEAPA, foram analisadas 119 fichas clínicas, entre o mês de Janeiro de 2002 e Novembro de 2009. Os casos foram separados por espécies (Bovina e Ovina) e os dados foram analisados segundo estatística descritiva. Dentre os parâmetros analisados considerou-se a época do ano, tipo de distocia (Materna ou fetal), idade da fêmea, sexo do feto e tipo de procedimento utilizado para correção da distocia (tração, fetotomia, manobra obstétrica e viabilidade do feto e da parturiente). Dentre os dados avaliados, foram utilizados 62 (52,1%) bovinos e 57 (47,9%) ovinos. Das distocias bovinas, 48 (77,42%) eram de origem fetal, 12 (19,35%) de origem materna e 2 (3,22%) não havia indicação da origem. Os tratamentos realizados foram 7 (11,3%) manobras obstétricas, 13 (20,97%) fetotomias parciais e 1 fetotomia total (1,61%). Em 28 (45,16%) animais foram realizados laparotomia via fossa para-lombar ou para-mamária para realização de cesariana. Os fetos encontravam-se mortos em sua maioria. As ovelhas foram acometidas em sua maior parte por distocias de origem materna (67,39%), oriundas principalmente de toxemia da gestação (37,5%), e a maior parte foi submetida à Cirurgia de laparotomia via fossa para-lombar esquerda para Cesariana (76,36%). A principal causa de distocias identificada na espécie bovina foi o mal posicionamento fetal, seguido de desproporção feto-pélvica, já na espécie ovina houve um destaque para toxemia da gestação seguido por dilatação insuficiente da via fetal mole. Em ambas as espécies estudadas o procedimento de cesariana foi de fundamental importância para o tratamento das distocias, seguido por fetotomia e tração na espécie bovina e manobras obstétricas de correção de estática fetal e tração na espécie ovina. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT-
Descrição: dc.descriptionIn order to conduct a study of cases of dystocia in cattle and sheep at the Large Animal Veterinary Hospital of UnB/SEAPA, we analyzed 119 medical records, between the months January 2002 and November 2009. The cases were separated by species (cattle and sheep) and the data analyzed using descriptive statistics. Among the parameters analyzed we considered the time of year, type of dystocia (maternal or fetal), age of the female, sex of the fetus, the procedure used for correction of dystocia (traction, fetotomy, obstetrical maneuver) and the fetus and mother’s viability. Among the evaluated data were used 62 (52.1%) cattle and 57 (47.9%) sheep. Among cattle dystocias, 48 (77.42%) were of fetal origin, 12 (19.35%) of maternal origin and in 2 (3.22%) there was no indication of origin. The treatments performed were 7 (11.3%) obstetrical maneuvers, 13 (20.97%) partial fetotomies and 1 complete fetotomy (1.61%). In 28 (45.16%) animals was performed flank or paramammary laparotomy for cesarean section. The fetuses were dead in most cases. The sheep were affected mostly by dystocias of maternal origin (67.39%), primarily caused by pregnancy toxemia (37.5%), and most underwent laparotomy via left flank for cesarean section (76.36%). The main cause of dystocia identified in bovines was fetal malposition, followed by fetal-pelvic disproportion. In sheep was a highlight for pregnancy toxemia followed by insufficient dilatation of soft delivery route. In both species the procedure of cesarean section was of major importance for the treatment of dystocia, followed by fetotomy and traction in cattle and obstetric maneuvers of static correction and traction in fetal sheep.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Palavras-chave: dc.subjectParto animal-
Palavras-chave: dc.subjectCirurgia veterinária-
Título: dc.titleDistocia em vacas e ovelhas atendidas no hospital veterinário da UnB entre os anos de 2002 e 2009-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.