Mamografia digital com meio de contraste no estadiamento locoregional e na avaliação de resposta à quimioterapia neoadjuvante no câncer de mama : comparação com a ressonância magnética

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorPratesi, Riccardo-
Autor(es): dc.contributorFarage, Luciano-
Autor(es): dc.creatorBarra, Filipe Ramos-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:14:50Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:14:50Z-
Data de envio: dc.date.issued2019-06-17-
Data de envio: dc.date.issued2019-06-17-
Data de envio: dc.date.issued2019-06-17-
Data de envio: dc.date.issued2018-12-14-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/34849-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/627004-
Descrição: dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2018.-
Descrição: dc.descriptionIntrodução. A quimioterapia neoadjuvante (QTNEO) pode diminuir a extensão do tumor, aumentando as chances de sucesso da cirurgia de conservação da mama e fornecer informações prognósticas para avaliar a resposta ao tratamento, por isso é cada vez mais utilizada no tratamento do câncer de mama. Para avaliar a resposta à QTNEO a ressonância magnética é o melhor método, infelizmente, a disponibilidade limitada de ressonância magnética e seu alto custo podem restringir seu acesso aos pacientes. A mamografia com contraste (MGMC) é um novo método de imagem que usa a técnica de dupla energia para combinar os benefícios da mamografia digital com a utilização de contraste intravenoso. Tem sensibilidade mais alta para a detecção do câncer de mama em comparação com as sensibilidades da mamografia digital isolada ou combinada com a ultrassonografia. Existem poucos estudos sobre a utilização da mamografia digital com meio de contraste na avaliação de resposta à quimioterapia neoadjuvante. Objetivo. Avaliar o desempenho da mamografia digital com meio de contraste (MGMC) em comparação com a ressonância magnética (RM) para estimar o tamanho do tumor residual após quimioterapia neoadjuvante (QTNEO) em mulheres com câncer de mama recém-diagnosticado. Métodos. Este estudo prospectivo incluiu mulheres com câncer de mama recém-diagnosticado que foram submetidas a MGMC e RM de mama no final do último ciclo de QTNEO e antes da cirurgia definitiva. Tamanho do tumor residual na MGMC e RM pós-QTNEO foi comparado com o estudo histopatológico da peça cirúrgica. Concordâncias e correlações das medidas da MGMC e RM com o tamanho histológico foram avaliadas. Resultados. Trinta e três pacientes foram incluídas com uma média de idade de 45 anos (intervalo 22-76). A sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e negativo para detecção de doença residual da MGMC foram 76%, 87,5%, 95% e 86,4%, e da RM foram 92%, 75%, 92% e 75%. Comparando MGMC com RM, a diferença média foi de -0,8 cm, o coeficiente de concordância foi de 0,7 e a correlação de Pearson foi de 0,7 (p = 0,0003). O coeficiente de concordância entre as medidas de cada modalidade de imagem e tamanho do tumor patológico foi de 0,7 para a MGMC e 0,4 para a RM. A correlação de Pearson foi de 0,8 para MGMC e 0,5 para RM. As diferenças médias entre a MGMC, a RM e o tamanho do tumor histopatológico residual foram de 0,8 cm e 1,8 cm, respectivamente. Conclusões: A mamografia digital com meio de contraste apresenta boa correlação e concordância com o estudo histopatológico para mensurar a doença residual após a quimioterapia neoadjuvante. A MGMC foi comparável à RM, mostrando alto valor preditivo positivo e especificidade para detectar doença residual.-
Descrição: dc.descriptionIntroduction. Neoadjuvant chemotherapy (NAC) may decrease the extent of the tumor, increasing the chances of success of breast surgery and provide prognostic information to evaluate the response to treatment, so it is increasingly used in the treatment of breast cancer. To evaluate response to chemotherapy, magnetic breast resonance (MRI) is the gold standard, unfortunately, the limited availability of MRI and its high cost may restrict its access for patients. Contrastenhanced mammography (CEM) is a new imaging tool that uses a dual-energy technique to combine the benefits of digital mammography with intravenous contrast utilization. It has a higher sensitivity for breast cancer detection compared with the sensitivities of full-field digital mammography (FFDM) alone and FFDM combined with ultrasound. There are few studies on the use of contrast-enhanced mammography in the evaluation of response to neoadjuvant chemotherapy. Objective. To evaluate the performance of contrast-enhanced mammography compared to magnetic resonance imaging for estimating residual tumor size after neoadjuvant chemotherapy in women with newly diagnosed breast cancer. Methods. This prospective study included women with newly diagnosed breast cancer who underwent breast CEM and MRI at the end of the last cycle of NAC and before definitive surgery. Size of residual malignancy on post-NAC CEM and MRI was compared with surgical pathology. Agreements and correlations of CEM and MRI measurements with histological size were assessed. Results. Thirty-three patients were included with a mean age of 45 years (range 22-76). The sensitivity, specificity, positive and negative predictive value for detection of residual disease of CEM were 76%, 87.5%, 95% and 86.4%, and of MRI were 92%, 75%, 92% and 75%. Comparing CEM to MRI, the mean difference was - 0.8 cm, concordance coefficient was 0.7, and Pearson correlation was 0.7 (p = 0,0003). The concordance coefficient between measurements of each imaging modality and pathologic tumor size was 0.7 for CEM, and 0.4 for MRI. Pearson correlation was 0.8 for CEM, and 0.5 for MRI. Mean differences between CEM, MRI, and residual histopathological tumor size were 0.8 cm, and 1.8 cm, respectively. Conclusions: CEM has good correlation and agreement with histopathology for measuring residual disease after NAC. CEM was comparable to MRI, showing high positive predictive value and specificity for detecting residual disease.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Direitos: dc.rightsA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.-
Palavras-chave: dc.subjectCâncer - tratamento-
Palavras-chave: dc.subjectMamas - câncer-
Palavras-chave: dc.subjectMamas - câncer - tratamento-
Palavras-chave: dc.subjectQuimioterapia neoadjuvante-
Palavras-chave: dc.subjectRessonância magnética-
Palavras-chave: dc.subjectMamografia digital-
Palavras-chave: dc.subjectMamografia com contraste-
Título: dc.titleMamografia digital com meio de contraste no estadiamento locoregional e na avaliação de resposta à quimioterapia neoadjuvante no câncer de mama : comparação com a ressonância magnética-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.