Criatividade compartilhada em matemática : do ato isolado ao ato solidário

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorGontijo, Cleyton Hércules-
Autor(es): dc.creatorCarvalho, Alexandre Tolentino de-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:03:29Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:03:29Z-
Data de envio: dc.date.issued2020-02-03-
Data de envio: dc.date.issued2020-02-03-
Data de envio: dc.date.issued2020-02-03-
Data de envio: dc.date.issued2019-05-27-
Fonte completa do material: dc.identifierhttps://repositorio.unb.br/handle/10482/36786-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/622557-
Descrição: dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2019.-
Descrição: dc.descriptionO objetivo desse estudo foi investigar como as relações instituídas em uma sala de aula permitem a emersão da criatividade compartilhada em matemática em alunos do quinto ano do ensino fundamental. Os objetivos específicos da tese foram a) analisar como ocorre o processo de criatividade compartilhada em matemática em situações de trabalho individual, coletivo sem mediação de poder e coletivo com mediação de poder, b) averiguar se existem relações assimétricas de poder entre os alunos quando trabalham coletivamente e analisar seus efeitos para o trabalho criativo das equipes, c) averiguar a existência de lideranças entre os alunos quando trabalham coletivamente e analisar seus efeitos para o trabalho criativo das equipes. Utilizamos metodologia mista. A metodologia quantitativa cuidou de aspectos envolvidos na criatividade em matemática ao serem atribuídos escores de fluência, flexibilidade e originalidade às soluções apresentadas em um teste. Já a metodologia qualitativa nos forneceu informações (por meio de grupos focais, observações de aulas, análise de imagens, áudios e protocolos) para compreendermos como as interações desenvolvidas entre membros de um grupo influenciaram esse processo de emersão. Para construir nossa tese, buscamos aportes teóricos em vários autores do campo da Criatividade em Matemática, da Cognição Compartilhada (sobretudo em KOZLOWSKI; KLEIN, 2000), na teoria da Criatividade Distribuída (GLĂVEANU, 2014, SAWYER, 2010, 2009, 2007) e da Analíse do Discurso Crítica (VAN DIJK, 2014; FAIRCLOUTH, 2001, 1989). Descobrimos que os grupos apresentaram níveis mais elevados de desempenho criativo nas duas formas de trabalho coletivo do que no trabalho individual. No trabalho individual, a menor quantidade e qualidade das soluções ocorreu porque, nessa forma de trabalho, os sujeitos contavam somente com os recursos cognitivos disponíveis em suas memórias no momento de produção de ideias e foram influenciados pelos afetos negativos compartilhados no coletivo. Já no trabalho coletivo sem mediação de poder, os alunos se sentiram mais apoiados para expressar ideias, apresentando maior quantidade de soluções e sendo possível o surgimento de líderes, mesmo que tenham ocorrido assimetria de poder e distratores em algumas equipes. Por fim, na versão em que houve mediação de poder, ocorreu um processo de qualificação das soluções, sendo apresentadas ideias mais originais, o que foi possível devido à Metodologia de Compartilhamento Criativo que proporcionou relações mais democráticas e dialógicas, coordenadas pela presença de lideranças.-
Descrição: dc.descriptionThe purpose of this study was to investigate how relationships established in a classroom allow the emergence of shared creativity in mathematics in fifth year elementary students. The specific objectives of the thesis were: a) to analyze how the process of shared creativity in mathematics occurs in situations of individual work, collective work without mediation of power and collective work with mediation of power, b) to ascertain if there are asymmetric relations of power between students when they work collectively and analyze their effects for the creative work of the teams, c) to ascertain the existence of leadership among the students when they work collectively and analyze their effects for the creative work of the teams. We use mixed methodology looking for evidences of this creative emersion when the students solve and elaborate mathematical problems of multiple solutions. The quantitative methodology took care of the aspects involved in the creativity in mathematics when assigning scores of fluency, flexibility and originality to the solutions presented in a test. The qualitative methodology provided us with information (through focus groups, class observations, image, audios and protocols analysis) to understand how the interactions developed between members of a group influenced this process of emergence. In order to construct our thesis, we sought theoretical contributions in several authors in the field of Creativity in Mathematics, Shared Cognition (KOZLOWSKI, KLEIN, 2000), Distributed Creativity Theory (GLĂVEANU, 2014, SAWYER, 2010, 2009, 2007) and of Critical Discourse Analysis (VAN DIJK, 2014; FAIRCLOUTH, 2001, 1989). We found that groups presented higher levels of creative performance in both forms of collective work than in individual work. In the individual work, the smallest quantity and quality of the solutions occurred because, in this form of work, the subjects relied only on the cognitive resources available in their memories at the time of ideas production and they were influenced by the negative affections shared in the collective. Already in the collective work without mediation of power, the students felt more supported to express ideas, presenting more solutions and being possible the emergence of leaders, even if power asymmetry and distractors occurred in some teams. Finally, in the version in which there was mediation of power, occurred a process of qualification of solutions, presenting more original ideas, which was possible due to the Creative Sharing Methodology that provided more democratic and dialogic relations, coordinated by the presence of leaderships.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Direitos: dc.rightsA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.-
Palavras-chave: dc.subjectEnsino fundamental-
Palavras-chave: dc.subjectMatemática - estudo e ensino-
Palavras-chave: dc.subjectMatemática - criatividade-
Palavras-chave: dc.subjectCriatividade (Educação)-
Título: dc.titleCriatividade compartilhada em matemática : do ato isolado ao ato solidário-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.