Localidade ou metrópole? : demonstrando a capacidade de atuação política das travestis no mundo-comunidade

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorSegato, Rita Laura-
Autor(es): dc.contributorBizerril Neto, José-
Autor(es): dc.creatorBarbosa, Luana Mirella de Souza-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T17:59:54Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T17:59:54Z-
Data de envio: dc.date.issued2011-03-15-
Data de envio: dc.date.issued2011-03-15-
Data de envio: dc.date.issued2011-03-15-
Data de envio: dc.date.issued2010-02-08-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/7121-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/621175-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)–Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Antropologia, 2010.-
Descrição: dc.descriptionNos grandes centros do eixo São Paulo-Sul, de acordo com as etnografias realizadas até então, as travestis são sempre identificadas a figuras marginais que exercem a prostituição e que, na maioria das vezes, estão ligadas ao narcotráfico, à violência e ao perigo. Nesse cenário, elas são condizentes com um certo modelo globalizado e enlatado de travesti e de “feminilidade”, em contraponto à alteridade histórica, à figura da bicha, ligada às histórias locais. O trabalho aborda os mecanismos da colonialidade do poder e sua ferramenta, o eurocentrismo, tendo como fim analisar as conseqüências na colonização da sexualidade e dos movimentos LGBTTT no Brasil. Trata, com esse fim, sobre alguns casos de travestis que atuam na política, no interior do Piauí – como Kátia Tapety, que já foi duas vezes vereadora e uma vez vice-prefeita de Colônia do Piauí –, com o objetivo de mostrar que, mesmo em uma cena aparentemente atrasada e resistente à modernidade, podemos encontrar um maior pluralismo sexual. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT-
Descrição: dc.descriptionAccording to the current ethnographies, travestis in some big cities in South and Southeast regions of Brazil are always identified as marginal characters that prostitute themselves and are, often, connected to narcotraffic, violence and danger. In this scenario, the travestis aren’t expressing historic alterity, instead they are inscribed in a global and colonial model, standing as opposites to the figure of “bicha” (that is more connected to local history). This paper, deals with the working of coloniality of power and its important tool, eurocentrism, as a way to analyze its consequences in the colonization of sexuality and of LGBTTT movements in Brazil. By telling the stories of travestis that have a political career in small city in Piauí – like Kátia Tapety, elected two times for the city council and one time vicemayor of Colônia, Piauí – this paper tries to show that in this seemingly retrograde environment – one that is apparently resistant to modernity and sexual rights – we could find greater sexual pluralism.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Palavras-chave: dc.subjectTravestis-
Palavras-chave: dc.subjectPolítica-
Palavras-chave: dc.subjectGoverno representativo e representação-
Título: dc.titleLocalidade ou metrópole? : demonstrando a capacidade de atuação política das travestis no mundo-comunidade-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.