Cidades menores apresentam mais benefícios ambientais do que as grandes? : uma análise exploratória para o estado de São Paulo

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorConceição, Pedro Henrique Zuchi da-
Autor(es): dc.creatorSantiago, Priscila Braga-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T17:56:34Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T17:56:34Z-
Data de envio: dc.date.issued2013-03-26-
Data de envio: dc.date.issued2013-03-26-
Data de envio: dc.date.issued2013-03-26-
Data de envio: dc.date.issued2012-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/12593-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/619833-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Economia, 2012.-
Descrição: dc.descriptionO objetivo desta dissertação é explorar a relação entre aglomerados econômicos, tamanho das cidades e externalidades ambientais negativas. Portanto, contribui-se para esclarecer a controvérsia sobre o tamanho ótimo das cidades, a qual está concentrada na realidade das nações desenvolvidas. Enfatiza-se dimensões ambientais relacionadas a este debate, focando em aglomerações urbanas de países em desenvolvimento. Em ordem para fazer isto, testa-se a hipótese de que cidades pequenas apresentam indicadores de qualidade ambiental melhores do que grandes centros urbanos. A tentativa de rejeitar esta hipótese se baseia em dados de mais de 600 cidades do estado de São Paulo, Brasil, incluindo a capital do estado, São Paulo, uma das maiores cidades no mundo, com mais de 11 milhões de habitantes. Usa-se técnicas de análise multivariada de clusters e análise de fatores com diversos indicadores ambientais – para qualidade da água, eliminação e controle de resíduos sólidos – e um indicador de qualidade de vida agregado, similar ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O resultado do trabalho rejeita a hipótese de que cidades pequenas em uma realidade de país em desenvolvimento sejam mais ambientalmente sustentáveis do que cidades grandes. __________________________________________________________________________________ ABSTRACT-
Descrição: dc.descriptionThe objective of this essay is to explore the relationship between economics of agglomeration, city sizes and negative environmental externalities. Therefore, we contribute to illuminate the controversy on optimal city size, which has been much more concentrated on the reality of developed nations. We emphasize environmental dimensions related to this debate focusing on developing country urban agglomerations. In order to do so we test the hypothesis that smaller cities present better environmental quality indicators than bigger urban centres. Our tentative of rejecting this hypothesis was based upon data on more than 600 cities in the state of São Paulo, Brazil, including its capital city of São Paulo, one of the largest cities in the world with more than 11 million inhabitants. We used cluster and factorial techniques for a multivariable analysis with several environmental indicators - for water qualities and solid waste disposal and management – and an aggregated quality of life indicator very similar to the Human Development Indicator (HDI). Our results reject the hypothesis that smaller cities in a developing country reality are more environmentally sustainable than bigger cities.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Palavras-chave: dc.subjectEconomia ambiental-
Palavras-chave: dc.subjectAnálise por conglomerados-
Palavras-chave: dc.subjectEconomia urbana-
Título: dc.titleCidades menores apresentam mais benefícios ambientais do que as grandes? : uma análise exploratória para o estado de São Paulo-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.