Nível de Conhecimento em Saúde de Estudantes Universitários

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorWelker, Alexis Fonseca-
Autor(es): dc.creatorEduardo, Anna Maly de Leão e Neves-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T17:52:40Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T17:52:40Z-
Data de envio: dc.date.issued2020-07-02-
Data de envio: dc.date.issued2020-07-02-
Data de envio: dc.date.issued2020-07-02-
Data de envio: dc.date.issued2020-05-29-
Fonte completa do material: dc.identifierhttps://repositorio.unb.br/handle/10482/38846-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/618315-
Descrição: dc.descriptionTese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências e Tecnologias e Saúde, 2020.-
Descrição: dc.descriptionObjetivos: Avaliar os fatores que determinam o nível de conhecimento baseado em evidências de estudantes universitários sobre plantas medicinais, técnicas de primeiros socorros e conteúdos ensinados de disciplinas de graduação da área de saúde. Métodos: Foram realizados três estudos. Um questionário com questões sobre o uso e o conhecimento sobre plantas medicinais foi aplicado a estudantes universitários de quatro cursos da área de saúde/biológica. Outro questionário foi aplicado com questões sobre o uso e o conhecimento sobre primeiros socorros a estudantes universitários de cinco cursos da área de Ciências da Saúde/Vida e cinco cursos da área de Ciências Humanas/Sociais. Um terceiro questionário foi aplicado sobre a escolaridade dos pais e o afeto recebido na primeira infância a estudantes do curso de Farmácia, cujas respostas foram correlacionadas com suas notas em disciplinas de graduação. Resultados: Estudo 1. A maioria dos estudantes relatou ter utilizado plantas medicinais, sendo que a maior parte deles não apresentou efeito adverso e obteve efeitos positivos. Seu conhecimento sobre plantas medicinais veio majoritariamente de fontes de informação não baseadas em evidências. O autouso ocorreu grandemente (42%) sem pesquisa prévia. Estudo 2. A maioria dos estudantes relatou não ter participado de treinamento sobre primeiros socorros e não conhecer qualquer técnica. Apesar disto, muitos estudantes (32-51%) declararam se sentirem capazes de ajudar numa situação de emergência. O conhecimento sobre primeiros socorros por estudantes que possuem disciplinas afins aos primeiros socorros, como Anatomia e Fisiologia, não foi maior que o de estudantes da área de Ciências Humanas, as quais não têm tais disciplinas em seus currículos. Estudo 3. Não houve correlação da escolaridade ou do afeto recebido autodeclarado com as notas obtidas pelos alunos. Conclusão: A presente tese permitiu concluir que: (i) muitos estudantes universitários da área de saúde/biológica usam plantas medicinais sem informações baseadas em evidências; (ii) cursar disciplinas de Anatomia e Fisiologia em cursos da área de Ciências da Saúde/Vida não é suficiente para causar maior nível de conhecimento sobre primeiros socorros do que possuem estudantes das Ciências Humanas/Sociais; e (iii) o aprendizado e as notas dos estudantes no ensino superior dos estudantes de Farmácia avaliados parecem ser determinados mais importantemente por outros fatores do que pela escolaridade dos pais ou pelo afeto recebido autodeclarado. Tais informações embasam a recomendação de que seja incentivada a busca por informações baseadas em evidências e a adoção de práticas metodológicas que diminuam as lacunas nos conhecimentos apontadas nos estudos.-
Descrição: dc.descriptionCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)-
Descrição: dc.descriptionObjectives: To evaluate the factors that determine the level of knowledge based on evidence acquired by university students about medicinal plants, first-aid techniques, and contents taught in undergraduate courses in the health area. Methods: Three studies were developed. A questionnaire with questions about the use of, and knowledge about, medicinal plants was given to university students from four majors in the health/biology area. Another questionnaire had questions about the use of, and knowledge about, first aid to university students from five majors in the area of Health/Life Sciences and five majors in the area of Human/Social Sciences. The third questionnaire was given to Pharmacy students about the education of their parents and the level of affection they received in early childhood, and their answers were correlated with their grades in undergraduate courses. Results: Study 1. Most of the students reported having used medicinal plants, most of which had no adverse effect and had positive effects. Their knowledge of medicinal plants came mostly from sources of information not based on evidence. Self-use occurred largely (42%) without prior research. Study 2. Most students reported not having participated in first-aid training and not knowing any technique. Despite this fact, many students (32-51%) stated that they feel able to help in an emergency. The knowledge about first aid by students who take courses that are related to first aid, such as Anatomy and Physiology, was not greater than that of students in the area of Human Sciences, who do not take such courses in their undergraduate studies. Study 3. There was no correlation between education level, or the selfdeclared level of affection received by students with their' grades. Conclusion: This thesis allows us to conclude that: (i) many university students in the health/biology field use medicinal plants without evidence-based information; (ii) taking Anatomy and Physiology courses in majors in the area of Health/Life Sciences is not enough to cause a higher level of knowledge about first aid than that of students of Human/Social Sciences; and (iii) the learning and grades in higher education of the Pharmacy students evaluated seem to be determined mostly by other factors than by the education level of their parents or by the self-declared affection received by them. Such information supports the recommendation that we should encourage the search for information based on evidence and the adoption of methodological practices that reduce the gaps in knowledge pointed out in the studies.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Direitos: dc.rightsA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições:Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.-
Palavras-chave: dc.subjectestudantes universitários-
Palavras-chave: dc.subjectconhecimento em saúde-
Palavras-chave: dc.subjectplantas medicinais-
Palavras-chave: dc.subjectprimeiros socorros-
Título: dc.titleNível de Conhecimento em Saúde de Estudantes Universitários-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.