TRABALHANDO COM GRANDEZAS E MEDIDAS DENTRO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS DO TRABALHO.- VERSÃO ESTUDANTE

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorINSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTOpt_BR
Autor(es): dc.contributor.authorREIS, Solange Taranto de-
Autor(es): dc.contributor.authorSAD, Ligia Arantes-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-07T02:09:30Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-07T02:09:30Z-
Data de envio: dc.date.issued2020-12-16-
identificador: dc.identifier.otherPRODUTO EDUCACIONLA_E-BOOK_VERSÃO ESTUDANTE_EDUCIMATpt_BR
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/586961-
Resumo: dc.description.abstractNo período logo após a Revolução Industrial, a migração das populações do campo para as cidades determinou o surgimento de novas profissões. Com isso, aumentaram os riscos à saúde do trabalhador, tornando necessária a criação de normas visando proteger a vida e integridade física dos trabalhadores. Em 1802 o parlamento da Inglaterra aprovou uma lei de saúde e estabeleceu proteção para aprendizes, fixou um limite máximo de 12 horas de trabalho por dia e proibiu o trabalho noturno. Em 1833, também na Inglaterra, foi criada a “Lei das Fábricas”. Dentre um dos fatores que chamavam a atenção, estava a ventilação diluidora que tinha a missão de retirar os contaminantes presentes no ambiente de trabalho. Na mesma época, a Alemanha aprovou a “Lei Operária” que trouxe também atenção a Segurança no Trabalho dos operários. No Brasil, devido ao contexto histórico da colonização e da escravidão, somente em 1891 foi criada uma lei brasileira que tratava sobre a proteção ao trabalho dos menores. Em 1919 é criada a Lei 3724 de 15/01/19, essa foi a primeira lei brasileira sobre acidentes de trabalho. A revolução industrial só chegou ao Brasil na década de 1940, nessa época as multinacionais começaram a se instalar no Brasil e várias normas de segurança foram trazidas junto com elas. Em 1944 a lei de acidentes é reformada, dando início à criação do capítulo V da CLT e a criação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). A regulamentação do uso de EPI veio por meio da Portaria 319 de 30/12/1960. E, em 1978, as Normas Regulamentadoras do Trabalho (NR) foram oficializadas por meio da Portaria n°3214/ 78, do Ministério do Trabalho e, atualmente, existem 35 NRs. As NRs tratam do conjunto de requisitos e procedimentos relativos à segurança e medicina do trabalho, são de observância obrigatória às empresas privadas, públicas e órgãos do governo que possuem empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essas 35 Normas, que passaram a vigorar com a aprovação pelo Ministério do Trabalho, constam em nossa pesquisa conforme tabela de resumo abaixo.pt_BR
Tamanho: dc.format.extent2 MBpt_BR
Tipo de arquivo: dc.format.mimetypePDFpt_BR
Idioma: dc.language.isopt_BRpt_BR
Direitos: dc.rightsAttribution-NonCommercial 3.0 Brazil*
Licença: dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/*
Palavras-chave: dc.subjectEducação de Jovens e Adultos. Grandezas e Medidas. Normas Regulamentadoras do Trabalho. Modelo dos Campos Semânticos.pt_BR
Título: dc.titleTRABALHANDO COM GRANDEZAS E MEDIDAS DENTRO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS DO TRABALHO.- VERSÃO ESTUDANTEpt_BR
Tipo de arquivo: dc.typelivro digitalpt_BR
Curso: dc.subject.coursePROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICApt_BR
Área de Conhecimento: dc.subject.disciplineCURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICApt_BR
Aparece nas coleções:Área de Ensino-PG CAPES


Este item está licenciado sob uma Licença Creative Commons Creative Commons