TRADUZINDO A IDENTIDADE DA FAVELA BRASILEIRA NA FRANÇA: JE SUIS FAVELA/EU SOU FAVELA

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorCurti-contessoto, Beatriz-
Autor(es): dc.creatorDeângeli, Maria Angélica-
Autor(es): dc.creatorAmorim, Lauro Maia-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-11T01:09:33Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-11T01:09:33Z-
Data de envio: dc.date.issued2019-10-03-
Data de envio: dc.date.issued2019-10-03-
Data de envio: dc.date.issued2019-04-01-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.1590/010318138653889449441-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/183739-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/183739-
Descrição: dc.descriptionABSTRACT Eu sou favela (2012) is a collection of short stories written by Brazilian writers who narrate stories set in slums. Its translation, Je suis favela (2011), was made available by Éditions Anacaona, a French publisher that offers translations of Brazilian fiction less known to the French and Brazilian public and which portrays sociocultural aspects of Brazil. In the source-text there is a more colloquial register that was meant to successfully render the identities of the characters. We verified the ways in which the translation of one of the short stories, entitled J'suis qu'un ouf (A.B.C. in Portuguese), has resorted to orality markers in French, and how it has contributed to the creation of characters' identities in the target-text. In order to do so, we have drawn on Crépon (2004), Rodrigues (2008) and Amorim (2015), especially regarding the debates on the concept of translation itself, translation as a form of writing that consolidates noncanonical literatures and, consequently, identity issues underlying the process. We also refer to Britto (2012) and Bagno (2012) regarding to the written representation of orality.-
Descrição: dc.descriptionRESUMO A obra Eu sou favela (2012) é uma coletânea de contos de escritores brasileiros que narram histórias ambientadas na favela. Sua tradução, Je suis favela (2011), foi realizada pela Éditions Anacaona, uma editora francesa cujo foco é a publicação de traduções de obras brasileiras desconhecidas do grande público, tanto francês quanto brasileiro, que retratem aspectos socioculturais do Brasil. No texto em português, notamos o uso de um vocabulário de registro coloquial que foi utilizado com o intuito de melhor expressar as identidades das personagens. Assim, interessamo-nos em verificar de que modo a tradução de um dos contos, intitulado J'suis qu'un ouf, em português A.B.C., valeu-se das marcas de oralidade em língua francesa, e como isso contribuiu para a criação das identidades das personagens na obra traduzida. Para tanto, fundamentamo-nos em Crépon (2004), Rodrigues (2008) e Amorim (2015), sobretudo com relação às discussões sobre o próprio conceito de tradução, à tradução como escrita que consolida literaturas não canônicas e, consequentemente, as questões identitárias subjacentes a esse processo. Também nos referimos aos trabalhos de Britto (2012) e Bagno (2012) no que diz respeito às marcas de oralidade propriamente ditas.-
Formato: dc.format341-362-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUNICAMP. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL)-
Relação: dc.relationTrabalhos em Linguística Aplicada-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjecttranslation-
Palavras-chave: dc.subjectidentity-
Palavras-chave: dc.subjectorality-
Palavras-chave: dc.subjecttradução-
Palavras-chave: dc.subjectidentidade-
Palavras-chave: dc.subjectoralidade-
Título: dc.titleTRADUZINDO A IDENTIDADE DA FAVELA BRASILEIRA NA FRANÇA: JE SUIS FAVELA/EU SOU FAVELA-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.