Efeitos ecotoxicológicos dos corantes índigo sintético e natural sobre a microalga Raphidocelis subcapitata e sobre o peixe Danio rerio

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorMoreira, Sofia Coelho-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-11T01:00:17Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-11T01:00:17Z-
Data de envio: dc.date.issued2019-03-12-
Data de envio: dc.date.issued2019-03-12-
Data de envio: dc.date.issued2019-01-18-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/180992-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/180992-
Descrição: dc.descriptionPós-graduação em Ciências Ambientais - Sorocaba-
Descrição: dc.descriptionA indústria têxtil é responsável pela maior parte de corantes utilizados comercialmente. Segundo a literatura estes contaminantes representam potencial tóxico a fauna aquática. Neste contexto destaca-se o corante sintético, Índigo Blue, por seu uso intenso no tingimento do “blue jeans”. Antes o corante índigo era obtido da planta Indigofera tinctoria, mas a viabilidade econômica sobrepôs a produção natural e tornou a cor azul acessível a sociedade com a produção sintética do corante. Este estudo objetivou comparar os aspectos ecotoxicológicos do corante Índigo Blue (sintético) e do corante Índigo Natural (obtido da planta Indigofera tinctoria) expondo-se organismos de dois níveis tróficos diferentes à 100 mg/L de cada corante (concentração representativa de corantes em efluntes têxteis). Os organismos-teste utilizados foram: 1) a alga Raphidocelis subcapitata com duração dos testes equivalente a 72h e 96h, avaliando-se o parâmetro crescimento pela contagem do numero de células em relação ao grupo controle ( a concentração estudada não inibiu o crescimento algal) e 2) o peixe Danio rerio, machos e fêmeas mantiveram-se expostos por 21 dias, num total de seis réplicas para cada tratamento e para cada sexo. Sendo 3 organismos-teste em cada uma das quatro réplicas destinadas para a histologia de gônadas de ambos os sexos e duas réplicas com 4 machos destinados para a reprodução e duas réplicas cotendo 2 fêmeas para a reprodução (proporção de dois machos pra cada fêmea). Após o vigésimo primeiro dia, duas réplicas das destinadas a histologia foram utilizadas para análise da gônada de ambos os sexos advindo de cada tratamento e controle. Os organismos contidos nas demais réplicas para estudo histológico seguiram por mais 21 dias de teste sem exposição aos contaminantes, todos em contato apenas com água de cultivo para avaliação de recuperação biológica. Os organismos das duas réplicas de cada sexo destinadas a reprodução foram submetidos após 21 dias em água contaminada a teste reprodutivo, em seguida os mesmos organismos seguiram por mais 21 dias sem a presença dos contaminantes, em água de cultivo limpa e submetidos a nova reprodução ao final do quadragésimo segundo dia de experimento para avaliação da recuperação biológica. Os endpoints avaliados para os testes de reprodução foram: o número de ovos postos, número de ovos viáveis, eclosão e sobrevivência de larvas por 7 dias. Para estatítica foi realizado Qui-quadrado e Kruskall Wallis utilizando o programa Bioestat. Após 21 dias de exposição aos contaminantes, observou-se toxicidade, em função das análises estatísticas e pela predominância de fases maduras do desenvolvimento gonadal das fêmeas de D. rerio expostas tanto ao corante sintético como ao natural. Para machos de D. rerio nas análises histológicas foi observado predomínio de fases maduras apenas para as réplicas expostas ao Índigo Blue. Após a recuperação biológica análises estatíticas de desova e análises qualitativas de tecido gonadal demonstraram potencial de recuperação biológica.-
Descrição: dc.descriptionThe textile industry is responsible for most commercially used dyes. According to the literature these contaminants represent toxic potential to aquatic fauna. In this context the synthetic dye, Indigo Blue, stands out due to its intense use in dyeing blue jeans. Before, indigo dye was obtained from the Indigofera tinctoria plant, but economic viability superimposed the natural production and made the blue color accessible to society with the synthetic dye production. This study aimed to compare the ecotoxicological aspects of Indigo Blue (synthetic) and Indigo Natural dye (obtained from the Indigofera tinctoria plant) by exposing organisms of two different trophic levels to 100 mg / L of each dye (representative concentrations of dyes in flakes textiles). The test organisms used were: 1) Raphidocelis subcapitata seaweed with duration of the tests equivalent to 72h and 96h, being evaluated the parameter growth by counting the number of cells in relation to the control group (the concentration studied did not inhibit algal growth) and 2) the Danio rerio fish, males and females remained exposed for 21 days, for a total of six replicates for each treatment and for each sex. Three replicates were used in each of the four replicates for the histology of gonads of both sexes and two replicates with 4 males destined for breeding and 2 replicates with 2 females for reproduction (ratio of two males to each female). After the twenty-first day, two replicates destined for histology were used for analysis of the gonad of both sexes coming from each treatment and control. The organisms contained in the other replicates for histological study followed for a further 21 days of testing without exposure to the contaminants, all in contact only with culture water for evaluation of biological recovery. The organisms of the two replicates of each sex destined for reproduction were submitted after 21 days in contaminated water to reproductive test, then the same organisms followed for another 21 days without the presence of the contaminants, in clean culture water and submitted to a new reproduction to the end of the forty-second day of the experiment to evaluate the biological recovery. The endpoints evaluated for breeding tests were: number of eggs laid, number of viable eggs, hatching and survival of larvae for 7 days. Statistical analysis was carried out using chi-square and Kruskall Wallis using the Bioestat program. After 21 days of exposure to contaminants, toxicity was observed, due to the statistical analysis and the predominance of mature stages of the gonadal development of D. rerio females exposed to both synthetic and natural dyes. For males of D. rerio in the histological analyzes it was observed predominance of mature phases only for the replicas exposed to Indigo Blue. After biological recovery, spatial analyzes of spawning and qualitative analyzes of gonadal tissue demonstrated potential for biological recovery.-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectÍndigo Blue-
Palavras-chave: dc.subjectIndigofera tinctoria-
Palavras-chave: dc.subjectHistologia-
Palavras-chave: dc.subjectZebrafish-
Palavras-chave: dc.subjectAlgas-
Título: dc.titleEfeitos ecotoxicológicos dos corantes índigo sintético e natural sobre a microalga Raphidocelis subcapitata e sobre o peixe Danio rerio-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.