Dentes fósseis de teropodomorfos da Bacia São Luís / Grajaú, Albiano / Cenomaniano do estado do Maranhão, e prováveis associações taxonômicas

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorLetizio, Luiz Antonio-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T23:38:01Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T23:38:01Z-
Data de envio: dc.date.issued2018-09-19-
Data de envio: dc.date.issued2018-09-19-
Data de envio: dc.date.issued2017-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/156461-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/capelo/2018-04-26/000898130.pdf-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/156461-
Descrição: dc.descriptionOs dinossauros, assim como outros seres extintos, despertam a curiosidade do ser humano desde que foram conhecidos. Imaginar como estes seres viviam pode ser uma tarefa difícil, uma vez que não podemos vê-los em seu habitat natural. Porém os estudos morfológicos dos fósseis, observações comportamentais de grupos aparentados e descendentes, estudos sobre as características das rochas onde são encontrados, e inferências sobre como eram os ambientes nas épocas em que viveram, permitem que hipóteses sobre Paleobiologia e Paleoecologia sejam estabelecidas. A morfologia das estruturas fossilizadas permite que os animais sejam classificados em grupos, de acordo com os caracteres compartilhados. Entender como e onde estes grupos surgem, e como se dispersaram pelo planeta, podem ser a chave para entender Evolução. Estes fatos justificam esforços para identificar os espécimens fósseis encontrados. Os dentes aqui tratados são relativamente pequenos, que indicam organismos de hábitos predatórios. São provenientes da Bacia São Luís / Grajaú, Estado do Maranhão, e datam dos andares Albiano / Cenomaniano do Período Cretáceo, fazendo parte das coleções do Museu de Paleontologia e Estratigrafia Prof. Dr. Paulo Milton Barbosa Landim. Mas não foram atribuídos a nenhum grupo taxonômico até o momento. O objetivo principal do trabalho aqui apresentado é atribuir classificação taxonômica aos dentes, com base nos atuais conhecimentos sobre os grupos fósseis sul-americanos, e análise da morfologia das estruturas destes dentes sob Microscopia Eletrônica de Varredura. A Subfamília Unenlagiinae foi proposta em 1999, com base no Morfótipo Unenlagia. Algumas características deste grupo são dentes pequenos, espaçados e desprovidos de dentículos, o que condiz com a morfologia de alguns espécimens abordados neste trabalho. O próximo passo será atribuir relação de parentesco com os gêneros previamente descritos para...-
Formato: dc.format68 f.-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectPaleontologia-
Palavras-chave: dc.subjectDente-
Palavras-chave: dc.subjectReptil fossil-
Palavras-chave: dc.subjectDinossauro-
Palavras-chave: dc.subjectPaleobiologia-
Palavras-chave: dc.subjectPaleoecologia-
Palavras-chave: dc.subjectMorfologia (Animais)-
Palavras-chave: dc.subjectEvolução-
Palavras-chave: dc.subjectMaranhão-
Título: dc.titleDentes fósseis de teropodomorfos da Bacia São Luís / Grajaú, Albiano / Cenomaniano do estado do Maranhão, e prováveis associações taxonômicas-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.