Avaliação de parâmetros de ansiedade de camundongos submetidos ao convívio com um coespecífico estressado

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorFerreira, Rafael Luis-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T23:02:36Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T23:02:36Z-
Data de envio: dc.date.issued2016-12-09-
Data de envio: dc.date.issued2016-12-09-
Data de envio: dc.date.issued2015-12-15-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/145408-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/capelo/2016-10-13/000866326.pdf-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/145408-
Descrição: dc.descriptionConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)-
Descrição: dc.descriptionSituações percebidas como ameaças à manutenção da homeostase ativam a reposta de estresse, que visa elevar o desempenho do organismo, a fim de aumentar as suas chances de sobrevivência. Classicamente, nos modelos animais para o estudo da ansiedade, se utiliza o estresse como seu modulador, devido à intrínseca relação entre os dois estados. Nos estudos que utilizam tais modelos, geralmente existe um foco na determinação dos efeitos do estresse sobre a ansiedade de um animal, sendo inexistentes na literatura estudos que abordam os efeitos que a convivência com um animal estressado tem sobre a ansiedade de seus companheiros. Indícios de que possa ocorrer uma transmissão do estresse entre os animais são encontrados em outros fenômenos e mostram que o convívio e as interações sociais entre os roedores são capazes de alterar seu comportamento, sendo exemplos a empatia e o social buffering. Almejando investigar a hipótese de transmissão do estresse entre os animais, este trabalho avaliou o efeito que a interação com um coespecífico estressado tem sobre camundongos não estressados. Foram realizados dois experimentos, em que animais submetidos a diferentes protocolos de estresse foram colocados para interagir com coespecíficos. Um experimento utilizando o estresse de restrição como estressor (EXPERIMENTO I) e outro utilizando a derrota social como estressor (EXPERIMENTO II), cada um deles foi repetido três vezes, com animais diferentes, apenas variando o número de dias de convivência dos animais pré- experimento (7, 14 ou 21 dias), de modo a determinar se o fator tempo de convivência (familiaridade) é importante para a observação da transmissão do estresse. Após a interação com seus companheiros estressados os animais não estressados foram submetidos ao labirinto em cruz elevado para a avaliação de seus parâmetros de ansiedade. Metodologia: camundongos Suíços machos foram alojados em caixas...-
Formato: dc.format45 f.-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectAnimais de laboratorio-
Palavras-chave: dc.subjectEstresse fisiológico-
Palavras-chave: dc.subjectHomeostase-
Palavras-chave: dc.subjectAnsiedade-
Palavras-chave: dc.subjectHomeostasis-
Título: dc.titleAvaliação de parâmetros de ansiedade de camundongos submetidos ao convívio com um coespecífico estressado-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.