Dados da avaliação pré-anestésica não influenciam o tempo de intubação com o videolaringoscópio Airtraq em pacientes obesos

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorRanieri Júnior, Dante-
Autor(es): dc.creatorRiefel Zinelli, Fabio-
Autor(es): dc.creatorGeraldo Neubauer, Adecir-
Autor(es): dc.creatorSchneider, Andrew Perillier-
Autor(es): dc.creatorNascimento Júnior, Paulo do-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T22:48:17Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T22:48:17Z-
Data de envio: dc.date.issued2016-07-07-
Data de envio: dc.date.issued2016-07-07-
Data de envio: dc.date.issued2014-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.1016/j.bjan.2012.07.003-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/140327-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/140327-
Descrição: dc.descriptionObjetivo: esse estudo investigou a influência de preditores anatômicos para laringoscopia e intubac¸ão orotraqueal difícil em pacientes obesos mediante a comparac¸ão dos laringoscópios Macintosh e Airtraq®. Métodos: em 132 pacientes de cirurgia bariátrica foram registrados: perímetro cervical, distância esternomentoniana, distância inter-incisivos e escore de Mallampati. Os pacientes foram randomizados em dois grupos, de acordo com o laringoscópio usado para a intubac¸ão traqueal: Macintosh (n = 64) ou Airtraq® (n = 68). O tempo até a intubac¸ão foi o primeiro desfecho. Também foram registrados: escore de Cormack-Lehane, número de tentativas de intubac¸ão, lamina Macintosh usada, necessidade de compressão traqueal externa, ou uso de um bougie elástico de borracha. Também foram anotados o insucesso na intubac¸ão e as estratégias adotadas. Resultados: houve insucesso na intubac¸ão em dois pacientes no grupo com laringoscópio de Macintosh; esses pacientes foram incluídos como o pior cenário de caso. Os tempos para intubac¸ão foram 36,9 ± 22,8 seg e 13,7 ± 3,1 seg para os grupos Macintosh e Airtraq® (p < 0,01), respectivamente. Os escores de Cormack-Lehane também foram mais baixos para o grupo Airtraq®. Um paciente no grupo Macintosh com insucesso na intubac¸ão foirapidamente intubado com o laringoscópio Airtraq®. A circunferência cervical (p < 0,01) e a distância inter-incisivos (p < 0,05) influenciaram o tempo até a intubac¸ão no grupo Macintosh, mas não no grupo Airtraq®. Conclusão: em pacientes obesos, apesar da maior circunferência cervical e da limitada abertura da boca, o laringoscópio Airtraq® possibilita uma intubac¸ão traqueal mais rápida versus laringoscópio Macintosh, podendo funcionar como alternativa, nos casos de insucesso com a laringoscopia convencional.-
Formato: dc.format190-194-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherElsevier Editora Ltda-
Relação: dc.relationRevista Brasileira de Anestesiologia-
Relação: dc.relation0.850-
Relação: dc.relation0,320-
Direitos: dc.rightsclosedAccess-
Palavras-chave: dc.subjectObesidade-
Palavras-chave: dc.subjectIntubação-
Palavras-chave: dc.subjectLaringoscopia-
Palavras-chave: dc.subjectAirtraq®-
Título: dc.titleDados da avaliação pré-anestésica não influenciam o tempo de intubação com o videolaringoscópio Airtraq em pacientes obesos-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.