A profanação como possibilidade para a educação em filosofia no ensino médio: análise dos programas de filosofia entre 1940 e 1961

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorCoelho, Ulisses Mendes-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T21:50:30Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T21:50:30Z-
Data de envio: dc.date.issued2015-05-14-
Data de envio: dc.date.issued2015-05-14-
Data de envio: dc.date.issued2014-02-17-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/123207-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/cathedra/15-04-2015/000824748.pdf-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/123207-
Descrição: dc.descriptionPós-graduação em Educação - FFC-
Descrição: dc.descriptionThe purpose of this paper is to think new ways to conceive about the teaching of Philosophy in Brazilian secondary school. For this, discusses the pedagogical relationship that establishes philosophy textbook in teaching practice of teachers by analyzing the first National Textbook Program (PNLD - 2012) for the discipline that regulate the use of textbooks which should be taught at schools. In the analysis of the ways of education that propagate these works, it is identified that aproaches the teaching of philosophy in the dynamics of repetition and memorization of philosophical principles, in other words, the student, to be approved in the Philosophy curricular component, must simply memorize and repeat the restrained broadcast in the textbook. However, to situate the moment when teaching through textbooks was admitted as true in Brazil and gains strength repeating until today, we turn to the concepts of archeology and genealogy worked by the philosopher Michel Foucault. Such thinking strategies allowed to find the National Commission Textbook (CNLD - 1940) the first historical emergence of textbooks in Brazilian education regulated by the Federal Government, and the historical analysis of the period alows to realize a resemblance to the period in which the teaching through textbooks and the logic of repetition and memorization of principles was organized systematically for European schools by Comenius in the Magna Didactics. So, the Brazilian education in the twentieth century as it was thought by Comenius to the seventeenth century, takes the function of to enable and to guide the school institution as a disciplinary power. A possibility of thinking about the teaching of philosophy that is different from this in practice was designed with the help of Giorgio Agamben, Jacques Rancière Jorge Larrosa through ways of making philosophical experiments in teaching philosophy in the teaching of Philosophy regulated by educational institutions.-
Descrição: dc.descriptionO presente trabalho se propõe a pensar novas formas para se pensar o ensino de Filosofia na escola secundária brasileira. Para isso, problematiza a relação pedagógica que livro didático de Filosofia estabelece na prática de ensino dos professores, analisando o primeiro Programa Nacional do Livro Didático (PNLD - 2012) para a disciplina que regulamenta o uso de quais livros didáticos devem ser trabalhados nas escolas. Na análise das formas de ensino que essas obras propagam, identifica-se que abordam o ensino de Filosofia na dinâmica de repetição e a memorização de princípios filosóficos, ou seja, um aluno para ser aprovado no componente curricular Filosofia precisa simplesmente memorizar e repetir os conteúdos difundidos pelo livro didático. No entanto, para pontuar o momento em que o ensino por meio do livro didático foi admitido como verdadeiro no Brasil e que ganha força de repetição até a atualidade, recorremos aos conceitos de arqueologia e de genealogia trabalhados pelo filósofo Michel Foucault. Essas estratégias de pensamento permitiram encontrar na Comissão Nacional do Livro Didático (CNLD - 1940) a primeira emergência histórica do livro didático na educação brasileira regulamentada pelo Governo Federal, e nas análises históricas do período, percebe-se uma semelhança com o período em que o ensino por meio dos livros didáticos e sua lógica da repetição e memorização de princípios foi organizado sistematicamente para as escolas europeias, por Comenius na ―Didática Magna‖. Assim, na educação brasileira do século XX como na que foi pensada por Comenius para o século XVII, essa modalidade de ensino ocupa a função de possibilitar e orientar a instituição da escola como um poder disciplinar, em que o ensino de Filosofia. Uma possibilidade de se pensar um ensino de Filosofia diferente dessa que está em prática, foi pensado com o auxílio de Giorgio Agamben, Jorge Larrosa...-
Formato: dc.format120 f.-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectEnsino médio-
Palavras-chave: dc.subjectFilosofia - Estudo e ensino-
Palavras-chave: dc.subjectEnsino - Curriculos-
Palavras-chave: dc.subjectArqueologia - Filosofia-
Palavras-chave: dc.subjectGenealogia (Filosofia)-
Palavras-chave: dc.subjectEducation, Secondary-
Título: dc.titleA profanação como possibilidade para a educação em filosofia no ensino médio: análise dos programas de filosofia entre 1940 e 1961-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.