Mais ou menos negra? Questões de negritude, tradução e a poesia de Harryette Mullen

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorAmorim, Lauro Maia-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T21:49:08Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T21:49:08Z-
Data de envio: dc.date.issued2015-04-27-
Data de envio: dc.date.issued2015-04-27-
Data de envio: dc.date.issued2012-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/letras/article/view/26637-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/122628-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/122628-
Descrição: dc.descriptionThis paper addresses issues regarding my translation of selected poems by Harryette Mullen, a rising African-American contemporary poet, whose dense poetry works on the black oral tradition, the experimentalism of writing, the (African-American) pop music, in addition to delving into issues such as the representation of (black) female sexuality. One of the complex aspects of her poetry is the notion of miscegenation, conceived as an aesthetic argument and as a constitutive condition of the identity of multiracial Americans. This concept establishes a textuality that questions the accessible intelligibility generally expected from black American poetry, insofar as a mosaic of dissonant voices are brought to light in her text, which makes it difficult to categorize. In Brazil, especially among politically engaged Afro-Brazilians, there has been criticism towards the praise of miscegenation, since the latter has been considered to support of the myth of racial democracy. Building on these aspects, we investigate the extent to which it is a challenge to translate her poetry – based on miscegenation and hybridity as aesthetic constructs – especially when taking into account the discursive locus of readers identified with an Afro-Brazilian aesthetic, particularly critical of miscegenation. From the point of view of translation, we evaluate the extent to which her poetry could be read by the predominant cultural discourse in Brazil, inclined to favor miscegenation as an integral concept of national identity, as a seductively experimental poetry. In view of this, one wonders whether this perspective makes hers poetry “less black” for Afro-Brazilian literary standards.-
Descrição: dc.descriptionEste trabalho discute questões oriundas da tradução, por mim realizada, de uma seleção de poemas de Harryette Mullen, autora afro-americana contemporânea em ascensão, cuja densa poesia versa sobre a oralidade negra, o experimentalismo da escrita, a música afro-americana, além de focalizar temas como a representação da sexualidade feminina (negra). Um dos aspectos complexos de sua poesia é a noção de miscigenação ou mestiçagem, concebida como um argumento estético e como uma condição constitutiva da identidade multirracial dos norte-americanos. Essa noção viabiliza uma textualidade que questiona a inteligibilidade acessível que geralmente se espera da poesia negra americana, na medida em que mosaicos de vozes dissonantes são trazidos à tona em seu texto, tornando-o difícil de categorizar. No Brasil, especialmente entre os afro-brasileiros mais engajados, tem-se criticado o louvor à noção de miscigenação, por esta supostamente participar da sustentação do mito da democracia racial. Com base nesses aspectos, investiga-se em que medida seria um desafio traduzir sua poesia – fundamentada na miscigenação e no hibridismo como construto estético – ao se levar em conta o lugar discursivo dos leitores identificados com uma estética afro-brasileira, mormente crítica da noção de miscigenação. Do ponto de vista tradutório, avalia-se em que medida a sua poesia poderia ser lida pelo discurso cultural vigente no Brasil, inclinado a favorecer a miscigenação como uma concepção integral da identidade nacional, como uma poética sedutoramente experimental. Em face disso, questiona-se se essa perspectiva tornaria a sua poesia “menos negra” para os padrões literários afro-brasileiros.-
Formato: dc.format203-218-
Idioma: dc.languagept_BR-
Relação: dc.relationRevista Letras-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjecttradução-
Palavras-chave: dc.subjectliteratura afro-americana-
Palavras-chave: dc.subjectmiscigenação-
Palavras-chave: dc.subjecttranslation-
Palavras-chave: dc.subjectAfrican-American literature-
Palavras-chave: dc.subjectmiscegenation-
Título: dc.titleMais ou menos negra? Questões de negritude, tradução e a poesia de Harryette Mullen-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.