Uma análise dos efeitos do uso a longo prazo de antidepressivos

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorSantos, Kwame Yonatan Poli dos-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T21:10:57Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T21:10:57Z-
Data de envio: dc.date.issued2014-11-10-
Data de envio: dc.date.issued2014-11-10-
Data de envio: dc.date.issued2014-01-22-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/110680-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/110680-
Descrição: dc.descriptionPós-graduação em Psicologia - FCLAS-
Descrição: dc.descriptionIt is not from today that humanity seeks medicines to mitigate, treat and cure the most different kinds of suffering. With the diseases of the soul/body the story has been no different. We researched the effects of long term use of antidepressives from the report of five people who use the drug for more than three years. The subjective state of depression and antidepressives are the contingencies that provide reliefs to answer on the existence of a remnant suffering to the use of psychotropic. Thereby, the research investigated how the medicalization of depression enters a device which makes it the reality of the treatment of mental disorders, the context in which depression is part and its function in social exchange. We have deployed the multiple facets of psychotropics, rescuing the conflict inherent in the phármakon. The limitation of phármakon in mental health treatment brings the need to discuss the ethical dimension, because while that drugs can be important allies, they should not take the role of the subject in its treatment. So, we revisit and try to relocate the discourse of the interviewed as an essential element for the analysis. The interviews reported experiences that show us that the depressive state is above all a sense experience and not just a consequence of that can be corrected with antidepressants neurochemical deficit. The reports keep stories of various types violence, suicide attempts with the use of psychotropic drugs, hospitalizations etc. Stories that were concealed in the medicalization process. So we set ourselves from the ethics of psychoanalysis, whose prerogative that antidepressives cannot buffer the word of the subject in psychological distress. We know through of Freud/Lacan, that symptomatic complaint is just the beginning of treatment and that the work takes from it. We conclude that the antidepressives after long-term use can make it difficult to appropriate ...-
Descrição: dc.descriptionNão é de hoje que a humanidade busca remédios para atenuar, tratar e curar os mais diferentes tipos de sofrimento. Com as ”doenças da alma/corpo” a história não tem sido diferente. Pesquisamos os efeitos do uso a longo prazo de antidepressivos a partir do relato de cinco pessoas, que utilizam o remédio há mais de três anos. O estado subjetivo da depressão e os antidepressivos são as contingências que fornecem os relevos para respondermos sobre a existência de um sofrimento remanescente ao uso do psicofármaco. Deste modo, na pesquisa investigamos como a medicalização da depressão entra num dispositivo que faz dela a realidade do tratamento dos transtornos psíquicos, o contexto no qual a depressão se insere e a sua função no intercâmbio social. Desdobramos as múltiplas faces dos psicofármacos, resgatando, o conflito inerente ao phármakon. A prescrição do phármakon no tratamento em saúde mental traz a necessidade do debater da dimensão ética, pois ao mesmo tempo em que os psicofármacos podem ser aliados importantes, não devem retirar o protagonismo do sujeito no seu tratamento. Sendo assim, revisitamos e procuramos realocar o discurso d@s entrevistad@s como elemento essencial para a análise. As entrevistas relatam vivências que nos mostram que o estado depressivo é, antes de tudo, uma experiência sensível e não é apenas consequência de um déficit neuroquímico, passível de ser corrigido com antidepressivos. Os relatos guardam histórias de diversos tipos de violência, tentativas de suicídio com uso de psicofármacos, internações hospitalares etc. Trata-se de histórias que foram escamoteadas no processo de medicalização. Deste modo, amparados na psicanálise, posicionamo-nos a partir da ética do bem-dizer, tendo como prerrogativa que o antidepressivo não pode tamponar a palavra do sujeito em sofrimento psíquico. Sabemos, por meio de Freud/Lacan, que a ...-
Formato: dc.format142 f.-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectAntidepressivos-
Palavras-chave: dc.subjectPsicanalise-
Palavras-chave: dc.subjectSaude mental-
Palavras-chave: dc.subjectPsicologia social-
Palavras-chave: dc.subjectPsicologia clinica-
Palavras-chave: dc.subjectAntidepressives-
Título: dc.titleUma análise dos efeitos do uso a longo prazo de antidepressivos-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.