Pesquisa de alguns marcadores de patogenicidade em Escherichia coli da microbiota entérica de pacientes com doença inflamatória intestinal

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Autor(es): dc.creatorRodrigues, Josias-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-03-10T21:02:19Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-03-10T21:02:19Z-
Data de envio: dc.date.issued2014-06-11-
Data de envio: dc.date.issued2014-06-11-
Data de envio: dc.date.issued2011-11-30-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://hdl.handle.net/11449/106724-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/11449/106724-
Descrição: dc.descriptionA doença inflamatória intestinal (DII) é um quadro patológico marcado pela ocorrência de lesões de gravidade variável ao longo do trato intestinal. Os sintomas se manifestam na forma de duas variantes clínicas distintas: retocolite ulcerativa (RU) e doença de Crohn (DC). A DC pode afetar qualquer parte do trato gastrintestinal (TGI), desde a boca até o ânus, podendo em casos raros, acometer tecidos extraintestinais. A RU restringe-se ao intestino grosso. A predisposição para seu desenvolvimento e a causa da doença dependem de múltiplos fatores, incluindo a Genética, dieta, tabagismo, imunidade e a microbiota intestinal. Sendo uma das bactérias dominantes entre os aeróbios facultativos do cólon intestinal, a Escherichia coli tem sido foco da maioria dos estudos relacionados à microbiota. Diferentes trabalhos têm demonstrado que estas bactérias são aumentadas em pacientes com DII. Considerando-se o peso do fator genético e que pouco ou nenhum estudo equivalente tem sido realizado com a população brasileira, a proposta deste trabalho consistiu na avaliação quantitativa de alguns grupos bacterianos, em diferentes materiais clínicos de pacientes com DII. Para isto, foi investigado um total de 110 pacientes do atendimento de rotina do HC/UNESP, distribuídos em 3 categorias: 52 controles, 20 portadores de DC e 38 portadores de RU. Os espécimes clínicos consistiram majoritariamente de biópsias do reto e, em menor número, de fezes e biópsias de outros segmentos da mucosa intestinal. Análise da variação na concentração bacteriana aplicada às espécimes de um subgrupo destes pacientes (24 controles, 17 portadores de RU e 14 de DC) revelou que, em geral, portadores de DII apresentam uma maior concentração média de bactérias Gram negativas, Gram positivas e de outros microrganismos em diferentes segmentos da mucosa-
Descrição: dc.descriptionNot available-
Formato: dc.format70 f. + Memorial-
Idioma: dc.languagept_BR-
Publicador: dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)-
Direitos: dc.rightsopenAccess-
Palavras-chave: dc.subjectColite-
Palavras-chave: dc.subjectIntestino - Doenças inflamatórias-
Palavras-chave: dc.subjectEscherichia coli - Patogenicidade-
Palavras-chave: dc.subjectCrohn, Doença de-
Título: dc.titlePesquisa de alguns marcadores de patogenicidade em Escherichia coli da microbiota entérica de pacientes com doença inflamatória intestinal-
Tipo de arquivo: dc.typetexto-
Aparece nas coleções:Repositório Institucional - Unesp

Não existem arquivos associados a este item.