Comunidades epifítica e arbórea em matas de galeria no Distrito Federal, Brasil

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorPinto, José Roberto Rodrigues-
Autor(es): dc.contributorWalter, Bruno Machado Teles-
Autor(es): dc.creatorOliveira, Rodolfo de Paula-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:23:28Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:23:28Z-
Data de envio: dc.date.issued2013-10-07-
Data de envio: dc.date.issued2013-10-07-
Data de envio: dc.date.issued2013-10-07-
Data de envio: dc.date.issued2013-05-10-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/14272-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/630490-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, 2013.-
Descrição: dc.descriptionA comunidade epifítica vascular no bioma Cerrado carece de estudos, sendo que as Matas de Galeria possuem características que favorecem a ocorrência de epífitas, possibilitando este tipo de estudo. Buscando investigar características e eventuais diferenças dentre comunidades epifíticas, realizou-se a comparação dessas comunidades em dois ambientes em Matas de Galeria: um não-inundável e outro inundável. Os levantamentos foram realizados em duas áreas, sendo cada área investigada quanto a esses dois ambientes, totalizando quatro trechos. A primeira área investigada foi a Fazenda Sucupira/FS (15º 52’ a 15º 56’ S, 48º 00’ a 48º 02’) e a segunda, a Fazenda Água Limpa/FAL (15° 56’ a 15° 59’ S, 47° 55’ a 47° 58’ O), ambas localizadas na porção sudoeste do Distrito Federal. Para amostragem, em cada trecho foram alocados aleatoriamente cinco transectos de 100 x 5 m, subdivididos em cinco parcelas de 20 x 5m. A comunidade arbórea (DAP ≥ 5 cm) se apresentou de forma distinta nos dois ambientes, tanto em questões florísticas quanto estruturais (Capítulo 2). No total foram amostrados 1.923 indivíduos arbóreos, sendo que 607 (31,6%) se comportaram como forófitos. Dentre as epífitas (Capítulo 3), Orchidaceae, com 21 espécies, foi a família mais representativa, seguida por Polypodiaceae (4), Bromeliaceae (3), Araceae (2) e Piperaceae (2). O ambiente inundável apresentou maior riqueza (34 espécies) do que o ambiente não-inundável (24). Apenas Campylocentrum neglectum, Campyloneurum angustifolium e Epidendrum avicola foram comuns aos quatro trechos, sendo que Serpocaulon fraxinifolium e Vanilla chamissonis estiveram presentes nos dois trechos inundáveis. A categoria ecológica mais frequente nos dois ambientes foi a das holoepífitas verdadeiras. O ambiente inundável apresentou maior densidade de epífitas e de forófitos, embora a riqueza e a densidade em apenas um forófito tenha sido superior no ambiente não-inundável. As epífitas tiveram preferência em colonizar a copa no ambiente não-inundável. Já no ambiente inundável, no trecho da FS a maior parte das epífitas se estabeleceram no fuste baixo dos forófitos, enquanto no trecho da FAL elas ocuparam, em sua maioria, a copa e o fuste alto dos forófitos, provavelmente devido à ocorrência de incêndios recorrentes. A epífita com maior Valor de Importância Epifítico (VIE) deste estudo foi Tillandsia tenuifolia, principalmente por sua capacidade de colonizar indivíduos mortos. A relação entre Valor de Importância (VI) da espécie arbórea e seu respectivo número de forófitos apresentou forte correlação positiva, levando em consideração que fatores como elevado DAP e tipos de casca podem ter influência na probabilidade da espécie abrigar epífitas. Os resultados apontam especificidades florísticas e estruturais na comunidade epifítica, corroborando diferenças já conhecidas para comunidade arbórea em Matas de Galeria. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT-
Descrição: dc.descriptionThe vascular epiphytic community from the Cerrado biome lacks studies, in particular the Gallery Forests for having favourable characteristics for epiphyte development. Seeking to investigate community differences, a comparison of two environments – non-floodable and floodable – has been carried out in two different areas, in a total of 4 stretches. The first area studied was Fazenda Sucupira/FS (15º 52’ to 15º 56’ S, 48º 00’ to 48º 02’) and the second area was Fazenda Água Limpa/FAL (15° 56’to 15° 59’ S, 47° 55’ to 47° 58’ W), both at the southeast portion of the Federal District, Brasil. Regarding sampling, for every stretch, five 100 x 5 m transects were randomly allocated, each one subdivided in five 20 x 5 m parcels. The tree community (DAP ≥ 5 cm) has shown distinct forms in the two environments, both in flower and structural issues (Chapter 2). In the total sampling, 1.923 arboreal individuals were identified, and among them 607 (31.6%) behaved as phorophyte. Among the epiphytes (Chapter 3), Orchidaceae, with 21 species, was the most representative family, followed by Polypodiaceae (4), Bromeliaceae (3), Araceae (2) and Piperaceae (2). The floodable environment is richer (34 species) than the non-floodable one (24). The Campylocentrum neglectum, Campyloneurum angustifolium and Epidendrum avicola were found in the four stretches. Only Serpocaulon fraxinifolium and Vanilla chamissonis were present in both floodable stretches. The most frequent ecological category found in both environments was the true holoepiphytes. The floodable environment presents higher density of epiphytes and phorophytes, but richness and density in only one phorophyte was superior in the non-floodable environment. The epiphytes displayed preference for colonizing the canopy of the non-floodable environment. As for the floodable one, in the FS stretch, most epiphytes set up in the low shaft of the phorophytes, and in the FAL stretch, most epiphytes occupied the canopy and the high shaft of the phorophytes, probably due to the occurrence of fire. The most important epiphyte of this data gathering was Tillandsia tenuifolia, mainly for its capacity of colonizing dead individuals. The relationship between the importance value of the arboreal species and its respective number of phorophytes showed strong positive correlation, considering that factors such as high trunk diameter and kinds of bark may influence the species probability of hosting epiphytes. The results point to flower and structural specificity both in the epiphytic community and in the arboreal one, corroborating flower and environmental differences of the arboreal component between both woodland environments.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Direitos: dc.rightsA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.-
Palavras-chave: dc.subjectCerrados-
Palavras-chave: dc.subjectMatas ripárias-
Palavras-chave: dc.subjectComunidades vegetais-
Título: dc.titleComunidades epifítica e arbórea em matas de galeria no Distrito Federal, Brasil-
Título: dc.titleArboreal and epiphytic communities in gallery forests in the Federal District, Brazil-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.