A cobrança pelo uso e poluição da água : o caso da sub-bacia do rio de ondas no oeste da Bahia

Registro completo de metadados
MetadadosDescriçãoIdioma
Autor(es): dc.contributorNogueira, Jorge Madeira-
Autor(es): dc.creatorFerraz, Carlos Alberto Leitão-
Data de aceite: dc.date.accessioned2021-10-14T18:20:55Z-
Data de disponibilização: dc.date.available2021-10-14T18:20:55Z-
Data de envio: dc.date.issued2009-10-22-
Data de envio: dc.date.issued2009-10-22-
Data de envio: dc.date.issued2008-07-10-
Data de envio: dc.date.issued2008-07-10-
Fonte completa do material: dc.identifierhttp://repositorio.unb.br/handle/10482/2024-
Fonte: dc.identifier.urihttp://educapes.capes.gov.br/handle/capes/629459-
Descrição: dc.descriptionDissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Economia, 2008.-
Descrição: dc.descriptionNessas últimas três décadas ocorreram significativos avanços nos estudos e pesquisas sobre a cobrança pelo uso da água. Entretanto, a possibilidade real de aplicação da cobrança tem provocado dúvidas e inquietações na sociedade, principalmente devido aos poucos trabalhos desenvolvidos em que a cobrança foi efetivamente implantada. O principal objetivo desta pesquisa é analisar a aplicabilidade da cobrança pelo uso e poluição da água (modelo CEIVAP) à realidade da sub-bacia do rio de Ondas, no Oeste da Bahia, considerando as limitações dos dados existentes na literatura, principalmente, em relação ao consumo de água por cultura e os instrumentos de gestão disponíveis. Na etapa inicial do trabalho, foram pesquisados e consolidados os dados dos principais usuários de água da sub-bacia. Em seguida, foi simulada a aplicação do modelo CEIVAP de cobrança pelo uso da água, com pequenas alterações baseadas em faixas de preços. Foi analisado o impacto econômico sobre as principais culturas agrícolas e setores usuários. Os resultados obtidos foram comparados com as condicionantes do modelo aplicado. A área de estudo foi a sub-bacia do rio de Ondas, localizada na fronteira agrícola do Oeste baiano, com uma área de 5.141 km², onde a atividade econômica preponderante é o agronegócio, em que se destacam as produções de soja, algodão, milho e café. As simulações realizadas demonstraram que a cobrança na sub-bacia do rio de Ondas é viável, desde que sejam gerados pequenos impactos econômicos nos setores usuários. Contudo, ela não pode ser tão baixa que não induza a mudanças no comportamento dos usuários dos recursos hídricos. A maneira de implementar a cobrança e a conseqüente arrecadação deve ser pautada em variáveis e critérios de justiça, eficiência e sustentabilidade ambiental.-
Formato: dc.formatapplication/pdf-
Direitos: dc.rightsAcesso Aberto-
Palavras-chave: dc.subjectÁgua - uso-
Palavras-chave: dc.subjectÁgua - poluição-
Palavras-chave: dc.subjectRecursos hídricos - conservação-
Palavras-chave: dc.subjectRecursos hídricos - impostos-
Título: dc.titleA cobrança pelo uso e poluição da água : o caso da sub-bacia do rio de ondas no oeste da Bahia-
Tipo de arquivo: dc.typelivro digital-
Aparece nas coleções:UNB

Não existem arquivos associados a este item.